Entrevista com um Professor de Harvard falando da importância do Poker

Bagalote: A entrevista abaixo foi feita pela revista Época com Charles Nesson, Advogado formado em Harvard e professor desta mesma universidade, que dá aulas na faculdade de Direito e lá ele ensina os alunos a jogar pôquer.

Ele criou Global Poker Strategic Thinking Society que é um grupo que reúne universidades e tem como objetivo usar o pôquer para educar as pessoas.

Para aqueles que ainda não acreditam no Poker segue a entrevista:

“ÉPOCA – Por que o senhor criou o grupo chamado Global Poker Strategic Thinking Society (Sociedade Global de Pensamento Estratégico em Pôquer)?

Charles Nesson – A idéia era criar uma rede de grupos universitários interessados no pôquer não só como jogo, mas como forma de pensar. Estamos ensinando crianças pobres a brincar com jogos que desenvolvem o pensamento estratégico. Começamos com “pedra, papel e tesoura”, damas e xadrez, antes do pôquer.

ÉPOCA – Como o senhor começou a jogar pôquer?

Nesson – Meu pai me ensinou a jogar, e o pôquer fez parte de minha infância. Jogava com a família e com os amigos. Mas eu não pensava sobre o jogo, não de maneira analítica. Até que um dia programei jacks-or-better (jogo com cinco cartas que é uma variação do pôquer) no computador, em 1981. Foi então que comecei a me interessar pelos padrões de pensamento dos jogadores, pelos blefes e por como as partidas se desenrolam.

ÉPOCA – De que maneira o pôquer pode ser útil na vida das pessoas?

Nesson – É um bom caminho para incentivar os jovens a entender mais sobre matemática e sobre como as coisas funcionam. Esse conhecimento pode ser usado na economia, na educação, no Direito e na psicologia. O pôquer ensina as pessoas a pensar por si próprias e lidar com os recursos disponíveis. Os jogadores também aprendem a ser pacientes, a manter sua postura e a respeitar seus inimigos.

ÉPOCA – Como lidar com a frustração da derrota?

Nesson – Se já é difícil lidar com o sucesso, lidar com o fracasso é ainda mais difícil e mais importante. Muitas pessoas, quando perdem, decidem que não vão jogar mais. E essa é a verdadeira derrota. As pessoas devem se manter calmas, consertar os erros e jogar melhor na próxima partida.

ÉPOCA – Algumas pessoas ilustres, como o presidente americano Richard Nixon e o empresário Bill Gates, são exímios jogadores. Há relação entre o sucesso deles e o pôquer?

Nesson – Certamente. E seria muito bom que as pessoas soubessem quantos líderes nos Estados Unidos – generais, educadores, advogados – eram mestres no pôquer. O jogo é bom porque você aprende a ver as coisas a partir do ponto de vista dos outros e ser um jogador – que é o que pede a vida.

ÉPOCA – Jogar pela internet tem o mesmo benefício de jogar da forma tradicional?

Nesson – Não. Acredito que os jogos on-line possam ser uma boa escola, mas o jogo cara a cara é diferente. O pôquer é um jogo social. Jogando na presença do adversário, é possível analisar a personalidade real dele.

ÉPOCA – O que o senhor acha da recente popularização do pôquer entre jovens e as mulheres?

Nesson – O pôquer é um jogo completamente aberto e qualquer pessoa pode entrar em um site e aprender. É uma oportunidade tremenda de melhorar as habilidades das pessoas independentemente de gênero, raça e idade.

ÉPOCA – Há quem afirme que os homens levam vantagem no pôquer por ser mais agressivos. O senhor concorda com essa análise?

Nesson – É interessante ver que algumas pessoas explicam a supremacia dos homens no jogo a partir da questão da agressividade. O pôquer é um jogo de estratégia, que requer um equilíbrio de forças. Dessa forma, a melhor resposta pode ser um confronto ou um recuo. Certamente, é um esporte aberto às mulheres, e eu não vejo motivos para os homens estar em vantagem. Talvez haja alguma diferença em algumas culturas, mas acho que as mulheres ainda não descobriram o pôquer. Elas ainda não descobriram que podem conhecer homens inteligentes no pôquer e que os impressionarão se puderem fazer bonito na mesa.

ÉPOCA – Por que o pôquer se tornou tão popular nos Estados Unidos?

Nesson – O pôquer foi assunto principal de alguns filmes de Hollywood e sempre foi um assunto ligado à tradição do Oeste. Nos faroestes sempre havia algum jogo acontecendo em algum lugar. É parte do imaginário americano. Acho que a combinação entre televisão e internet tornou essa experiência possível para milhões de pessoas.

ÉPOCA – Por que o pôquer deu tão certo na televisão?

Nesson – A TV faz um bom trabalho ao capturar o momento em que os jogadores tomam uma decisão. É algo interessante, porque você se sente dentro do jogo: fica sabendo da estratégia dos jogadores, e isso é algo que desperta uma atração genuína nas pessoas.
“É possível jogar pôquer a partir de 1 centavo. É estúpido pensar que se perde muito dinheiro apostando”

ÉPOCA – Por que, em sua opinião, o pôquer é visto como algo fora da lei?

Nesson – Essa visão está atrelada à história do jogo, com a imagem do “saloon”, e a uma idéia simplista do que é apostar por parte de quem coloca o pôquer como um jogo de azar, e não de habilidade. O xadrez é um jogo de informações completas, sobre as quais você tem certeza. Pelo menos na teoria, para cada posição, há sempre um lance correto que pode levar à vitória. Já a maestria no pôquer envolve a qualidade da memória, de pensar nos movimentos de toda a partida. É um ótimo exercício de estratégia que ensina a equilibrar forças opostas. O pôquer, de certa forma, é muito mais acessível que o xadrez, já que você pode aprender a jogá-lo em uma hora. Além disso, o xadrez nunca sofreu com a imagem negativa da aposta e nenhum enxadrista foi criticado por perder muito dinheiro.

ÉPOCA – Por que querem proibir o pôquer on-line em seu Estado, Massachusetts?

Nesson – A proibição não foi feita da forma regular, a partir de um projeto de lei analisado por uma comissão parlamentar. Foi uma regra introduzida por uma dessas manipulações do regimento. Foi aprovada sem passar por uma votação, assim como algumas das leis de exceção geradas pelos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

ÉPOCA – O que o senhor tem feito contra isso?

Nesson – Hoje em Massachusetts estou envolvido em um movimento para impedir os legisladores do Estado de criminalizar o pôquer on-line. Não consigo identificar um lobby organizado a favor dessa proibição.

ÉPOCA – No Brasil, os bingos foram proibidos recentemente. É possível comparar as duas situações?

Nesson – O bingo não é um jogo de habilidade, mas de pura sorte. Do ponto de vista das políticas públicas, as leis devem incentivar os jogos de habilidade e regulamentar os jogos de azar como forma de entretenimento.

ÉPOCA – O senhor acha que a aposta é responsável pela imagem negativa?

Nesson – O risco no pôquer é totalmente controlável a partir do tipo de aposta que você decide fazer. No pôquer on-line, é possível jogar a partir de 1 centavo, 2 centavos. É pôquer de excelente qualidade por um bom tempo. Você pode ser derrotado e ainda assim não perder dinheiro. A idéia de que alguém pode perder muito dinheiro jogando pôquer é estúpida. Não conheço ninguém que tenha perdido muito dinheiro com o pôquer que não tivesse muito dinheiro a perder. O pôquer é um jogo, e algumas pessoas o têm como diversão. Poucos resolvem fazer dele um meio de ganhar a vida. A maioria joga de acordo com seu limite, não vai entrar em uma partida de US$ 2 mil ou US$ 4 mil.

ÉPOCA – Que habilidades é preciso ter para ganhar no pôquer?

Nesson – É preciso desenvolver a habilidade de observar e de lidar com números. É necessário também melhorar as habilidades emocionais, como o autocontrole, e desenvolver o espírito de avaliação. São muitas habilidades úteis para muitos outros campos da vida.”

Esse sabe do que está falando.

Marcelo: Saiu na Época desta semana?

Bagalote: Na verdade essa entrevista é de 2008, vou identificar a edição e postar aqui depois.

Jardim:

ÉPOCA – Jogar pela internet tem o mesmo benefício de jogar da forma tradicional?

Nesson – Não. Acredito que os jogos on-line possam ser uma boa escola, mas o jogo cara a cara é diferente. O pôquer é um jogo social. Jogando na presença do adversário, é possível analisar a personalidade real dele.

Tiozão do live detected.
lol

GremistaEterno: Eu acredito que o poker on-line desenvolva muito mais a inteligencia de uma pessoa, pois você tem acesso a conteudos de alto nivel, milhares de artigos para aumentar seu poder de acertos nas decisões, e a todo instante tem milhares de jogadores querendo jogar com cada um de nós, oferecendo-nos muita experiencia.

Sinceramente, acho que o Poker On-line é uma ótima de desenvolver a mente, e evoluir o jogo.

Marcelo: Tiozão do live detected.
lol

Põe um note ai quando ele se aventurar nas mesas virtuais, hehehe.

icemanjr0: Estamos ensinando crianças pobres a brincar com jogos que desenvolvem o pensamento estratégico. Começamos com ”pedra, papel e tesoura”, damas e xadrez, antes do pôquer.

Os jogadores também aprendem a ser pacientes, a manter sua postura e a respeitar seus inimigos.

Muitas pessoas, quando perdem, decidem que não vão jogar mais. E essa é a verdadeira derrota. As pessoas devem se manter calmas, consertar os erros e jogar melhor na próxima partida.

jogo é bom porque você aprende a ver as coisas a partir do ponto de vista dos outros e ser um jogador – que é o que pede a vida.

“É possível jogar pôquer a partir de 1 centavo. É estúpido pensar que se perde muito dinheiro apostando”

Poker traz de tudo um poko entre eles o xadrez que busca o lado estratégico, nos traz algo de bom pra refletirmos sobre nossos proprios negocios no dia a dia, a paciencia e a postura elegante de um nobre em uma mesa, aprender a perder e com a derrota buscar novas vitorias, e que poker podemos jogar com qualquer valor, que sempre sera o poker.

Autor original: Bagalote.

Artigos Relacionados

MELHORES APLICATIVOS DE POKER

- divulgação -

Artigos Recentes

- divulgação -