Ver Feed RSS

DonVitche

A ENTIDADE DONKEY - Parte III (A Vingança)

Avalie este Post de Blog
E há o que fazer contra Ele, o Abominável Donkey?

Sim, amigos, há sim.

Claro que você pode, de acordo com as suas crenças, orar, rezar, participar de alguma desobsessão, fazer terapia, tomar algum medicamento, etc.

Eu prefiro utilizar os mesmos dispositivos que o trazem, para mantê-lo afastado.

Caso lhe soe como mais prático também poderá fazê-lo.

O princípio básico de uma indução hipnótica é o “desvio da atenção”.

Assim funcionam todas as induções. Assim funcionam as religiões, a mídia de massa, os centros de poder... mas não nos afastemos dele, o Donkey (rsrsrs).

Venho utilizando ultimamente ouvir musica enquanto jogo, e sempre prestando atenção nas musicas que estou ouvindo nos períodos entre largar as minhas cartas e iniciar uma nova mão.

É exatamente por isso que no cash-game é mais difícil para o Donkey manifestar-se (a menos que a sua identidade padrão seja um, rsrsrs). Como você precisa dar atenção a várias mesas concorrentes, não vive o “ritual hipnagógico” quando não precisa dar atenção ao jogo.

Outra forma de não permitir o seu desvio de atenção (note que “desviar a atenção”, aqui, refere-se a centrar o objetivo dentro dos seus valores, quer sejam as regras e as estratégias do jogo), é ter alguém com quem conversar enquanto joga.

Para mim está funcionando.

O que não consegui ainda resolver são as bads. Caí recentemente na LBPO em uma dessas, mas era eu quem estava jogando, não o Donkey.

Como saber?

Simples: ...fiz o certo! Caí por ter sido uma bad.

Nada a ver com o Abominável.

Um amigo que fiz participando daquele grupo de estudos e considerado o maior hipnólogo do país - embora de naturalidade uruguaia - Fabio Puentes (já devem tê-lo visto na TV), em uma das suas melhores palestras, mostrou-nos o porquê da sua fama.

Um método de indução hipnótica instantânea, de difícil prática. Poucos conseguem replicá-la atualmente.

Quem já assistiu a uma sessão de hipnose sabe o que estou dizendo. Caso você se negue a ser hipnotizado, dificilmente alguém o induzirá a um transe perfeito, a menos que o vença pelo cansaço (técnica utilizada por ele, o Abominável).

Dificuldades à parte, Puentes sempre nos deixava claro que o princípio da indução hipnótica está no desvio da atenção. A partir daí várias técnicas são utilizadas, como direcionar a atenção da pessoa à sua voz, aos seus mais profundos valores, etc. Mas o desvio da atenção, quando conseguido, é a chave para os processos de indução hipnótica.

Então não se permita mais esses desvios.

Se não está na mão, desvie você mesmo sua atenção para o aprendizado das demais leituras da mesa ou a uma música, conversa, etc. Não fique olhando para aquelas escalas de tempo dos jogadores (já viram como quem reclama das demoras, na maior parte das vezes, são jogadores que não estão naquelas mãos?!).

Também não fique analisando o que poderia acontecer se tivesse entrado com as cartas que largou. Isso estressa, traz ansiedade, e também auxilia na indução ao transe que abre as portas ao Abominável.

Tente. Depois me diga se ele ainda está presente.

Se ainda persistir, estude! Você pode ser um em pessoa, rsrsrsrs


Abraços amigos, espero que esse texto possa ajudá-los a refletir sobre o assunto.

GL a todos!
Categorias
Não Categorizado

Comentários

  1. Avatar de Tex Wilde
    Ótimo post Don! O controle da mente é importantíssomo para tudo. Como eu queria poder controlar melhor a minha...

    Pode falar um pouco mais sobre hipnose? Qual o maior "grau" de hipnose quau alguém pode atingir?

    Ah, acho que seria uma boa você também postar no fórum esse artigo. A repercussão é bem maior.
  2. Avatar de TrezeRJ
    Você já pensou em dar uma "compactada" e mandar em forma de Artigo para a CardPlay ou a Flop ? Derepente é publicação fácil ......
  3. Avatar de SraTowers
    muito bom, curti demais o artigo!! fantástico, Parabéns.
  4. Avatar de Marcelo
    Muito bom o artigo mesmo Don, parabéns.

    Uma forma de treinar seu cérebro é jogar rush poker ou muitas mesas. Você toma a atitude e não consegue nem ver a continuação da mão. É o poker em seu estado mais puro, pois nada mais importa após sua saída da mão.

    Lógico que você pode aprender mais dos oponentes ao observar o andamento, mas por outro lado está abrindo o portal para a chegada da "entidade" lol
  5. Avatar de Kanonlr
    Muito bom mesmo Don parabéns ...
  6. Avatar de Cebola
    simplesmente, o melhor "1k post" de todo o fórum
    parabens don, mandou muito bem !
  7. Avatar de SeriaL
    Muito bacana a comparação Don, muito bom o artigo, parabéns. O pior é que já sofri com essa entidade aí, tanto com a angústia de ver os donkeys se dando bem por horas seguidas e você lá, só short-stack (como você citou), mas também sofri com ela ao participar de torneios de buy-in fora do seu bank, aqueles que você chega lá de step em step ou ganha o ticket em promoções/satelites. Parece que rola um desespero para ganhar algum pote descente logo e tu ferra seu jogo por conta disso.

    A solução foi a dica do Marcelo de jogar muitas mesas, pena que tive que perder muito para aprender a não ficar tiltado ao ver donkey fazer [email protected]#$# e se dar bem, pelo menos no curto prazo.
  8. Avatar de Belkin876
    isso é 2ª geração romântica. lol


    muito bom o artigo. O Marcelo disse uma coisa interessante: que nós temos q tomar decisões corretas e esquecer do desfecho da mão.
  9. Avatar de DonVitche
    Sou da primeira Belkin, rsrsrs
  10. Avatar de RodBarreto
    Pois é, por mais que tentemos negar, existe uma dentro de cada um de nós!

    A diferença é o estado em que cada um tem a sua, algumas hibernando, outras arrastando correntes...
    Algumas quase abrindo as algemas... E em alguns é ela que domina o tempo inteiro e tem seu próprio eu como refém! XD

    Muito bom, Don!
    Valeu cada minuto da leitura e releitura!
    E das próximas releituras também!
  11. Avatar de DonVitche
    Amigos, coloquei isso no Post original, mas acho que lá ninguém mais verá, então copio aqui:


    Mais obrigados, obrigados e obrigados!

    Cumpre notar ainda, amigos, que o Donkey não é uma entidade maligna, como muitos podem pensar. Ele é somente uma identidade dissociada com a realidade, completamente irresponsável rsrsrs.

    Quando ele se aproxima, não é querendo te derrubar do torneio, muito pelo contrário!

    Tem momentos em que ele "baixa", a gente não percebe (como sempre), e acaba fazendo uma baralhada daquelas, mas a sorte nos sorri e ganhamos a mão. Aí levamos um susto, re-assumimos a nossa identidade padrão, e percebemos a bobagem feita.

    Nesse momento o Donkey se afasta, até que nova oportunidade surja para ele.

    Por não ser uma entidade maligna é que prefiro chamá-lo de Abominável (alusão ao Homem das Neves). Isso porque apesar de benigno, o cara é perigoso. Vive em perfeita desarmonia com todas as regras estabelecidas.

    Deixem-me parar por aqui senão vai ter gente acendendo velas pra ele, hahahahaha

    Abraços!
  12. Avatar de Dieisonstein
    Muito bom Don. Agr vou desejar para que todos meus adversarios sejam possuidos pelo "Abominavel Donkey das Neves"
  13. Avatar de Guilhermefla
    Simplesmente excelente post, Don.

    Agora é tentar controlar o "abominável".
  14. Avatar de Diih Poker
    Excelente Artigo Don .. Parabens.
  15. Avatar de prof_anselmo
    agora sim amigo, me perdoe... essa correria que atravesso. E como não queria ler como um material qualquer, ou seja, queria beber dessa fonte de conhecimento que é a sua pessoa. Demorei um pouco mais que os amigos.

    As 3 partes têm abordagens completamente diferente sobre o mesmo objeto de discussão. Em primeira mão desejo manifestar minha grande satisfação ao ter tido contato com um conteúdo de alto gabarito e escrito com total propriedade.

    A parte acadêmica descrita na primeira parte consubstancia todos os encaminhamento de refelxão nos dois textos seguintes.

    Do ponto de vista do teor.

    Da primeira parte achei relevante pois parte inclusive para o campo da antropologia, área na qual sou profundo amante. Pois a partir do momento que você se propõe a levantar temas tão complexos da para-psicologia, passando para o campo de formação cultural, crêndices, mitos, religiões, enfim, dá o tom ao texto de seu embasamento teórico, para fazer as afirmações que se seguem nos textos seguintes.

    Texto 2 e 3, dentro de um jargão mais acessível e palpável, pois refere-se mais especificamente a uma situação inerente ao poker. Com sua leitura dentro da questão da hipnose e dos mecanismos pertencentes a esse processo, sobre a distração, para que a pessoa seja hipnotizada. Achei que você foi muito feliz nas colocações e a relação com esse estágio de distração dos timers ou textura do board, momento em que baixamos a guarda quanto a rigidez da estratégia, e podemos deixar operar aquele jogador que nem de longe é o que já está a anos na lida com o poker, através da disciplina dos estudos, discussão, centenas de horas na frente do notebook , para fazer valer a máxima: "poker - esporte da mente".

    O problema de fazer um excelente post comemorativo como esse, é que tomas ainda mais responsabilidade para os próximos, pela magnitude que alcançastes.

    em resumo:

    simple the best!!!

    e que venha o post 2000, estou ansioso.

    grande abraço.
  16. Avatar de renato_rox
    kra, parabens pelo artigo...
    todas as partes são ótimas e ja me peguei nesse estado!!!

    texto realmente otimo para quem quer controlar a chegada do "abominavel"
    e é bom que mais cedo ou mais tarde alguem na nossa mesa vai receber essa entidade ai é hora de ataca-lo!

    abs!