Esporte dentro da lei!

41

Em função da constante polêmica sobre a legalidade do esporte/jogo de poker no Brasil, é reproduzido na íntegra o artigo publicando pelo Dr. Otávio de Queiroga em seu blog, em 7 de novembro de 2008, com o título Porque Jogo de Poker não é jogo de Azar.

Recomendo que todos leiam com atenção e façam comentário.

Jogo de habilidade segundo laudos periciais

Esse questionamento começou a partir do relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos bingos, Câmara de Vereadores de São Paulo, a preocupação com um novo tipo de jogo explorado pelas casas de jogos de azar, conhecido como “Texas Hold’em”.

De acordo com o relatório, o jogo é um tipo de pôquer também praticado pela Internet que usa clubes recreativos como sede e fachada para uma atividade que ganha cada vez mais adeptos e movimenta muito dinheiro.

No relatório, os vereadores destacaram, que não cabe à CPI dizer se os jogos de azar devem ou não ser legalizados, mas defenderam a necessidade da criação de mecanismos melhores de controle e fiscalização do funcionamento e arrecadação dos jogos.

Sendo que a bem da verdade não é bem assim. Os vereadores da CPI dos Bingos da Câmara Municipal de São Paulo estão equivocados, pois o jogo de pôquer não é considerado jogo de azar.

Segundo o especialista e ex-presidente da Loterj e advogado, Daniel Homem de Carvalho, informa da existência de um parecer do Laboratório de

Perícias do professor Ricardo Molina atestando que a modalidade de Poker ” Texas Hold’em” não é jogo de azar.

Daniel também comenta o assunto baseado na legislação brasileira sobre os jogos de azar.”A Lei de Contravenções Penais proíbe os jogos de azar. Jogo de Azar, por definição, é aquele que depende exclusivamente do acaso (de um sorteio por exemplo).

No caso do pôquer isso não acontece porque o resultado favorável depende preponderantemente da habilidade do jogador e o fator sorte, apesar de influir, não é o principal…”Ou seja, se alguém se dedicar ao estudo do pôquer e aprender as regras e habilidades, ele certamente terá chances de obter mais êxito contra jogadores que não dominam tais habilidades.

Num jogo de azar o jogador não pode com suas habilidades interferir no resultado final da partida. No jogo de pôquer o jogador habilidoso pode mudar o curso da “sorte” e ganhar a disputa.

No sistema de campeonato, não há apostas em dinheiro. O concorrente paga uma inscrição e recebe um número de fichas cujo valor é simbólico

para efeito da disputa. O que está concorrendo é um prêmio ao final da competição. Porém a inscrição visa também arcar com os custos do campeonato.

Isso acontece também em esportes como o golfe e o tênis dentre outros”, sentenciou Homem de Carvalho.O matemático Oswald de Souza, ensina na reportagem “Jogos de Azar ou Sorte?” postada no BNLData as diferenças entre os jogos de azar e os jogos de habilidade.” Para não ser considerado “jogo de azar” ou de “sorte” os jogadores têm que ter conhecimento e habilidade sobre as modalidades em disputa, como no blackjack, pôquer, biriba, pif-paf, tranca, jockey e loteria esportiva”, comentou Oswald.

Acrescente-se que já há um LAUDO PERICIAL OFICIAL do Instituto de Criminalistica da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, assinado pelos peritos Willian do Amaral Jr. e Karla Horti Freitas onde os peritos concluem:”Trata-se de um jogo de habilidade, pois ficou constatado que a habilidade do jogador que participa desta modalidade de jogo, depende da memorização, das caracteristicas (número e cor) das figuras apresentadas no decorrer do jogo e do conhecimento das regras e estratégia em função desses fatores, sendo porém, resultado final desta modalida de jogo aleatório”.

O parecer citado do Instituto Ricardo Molina, talvez o perito mais conhecido e respeitado do Brasil, é ainda mais contundente. Ao final de 26 páginas, onde há cálculos matemáticos, planilhas e outros, ele conclui de forma inequívoca o que mostramos a seguir… Todo esse material é oficial, tem timbre da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, e do Instituto do Dr. Ricardo Molina de Figueiredo. Laudo do Laboratório De Perícias Dr. Ricardo Molina Laboratório de Perícias Prof. Dr. Ricardo Molina de Figueire do Discussão À Luz Da Legislaço Brasileira Atual E Conclusões:

“A legislação Brasileira não é totalmente clara a respeito do tema. Assim é que, no único ponto da legislação no qual se trata diretamente do assunto, a saber o Decreto Lei 3688 de 1941, o qual. No Capítulo VII, tratando das contravenções relativas à Polícia de Costumes, define como “jogo de azar”, no Artigo 50, § 3, Alínea a, “o jogo em que o ganho e a perda dependem exclusivamente ou principalmente da sorte”.

“Como vimos e demonstramos, inclusive matematicamente, a habilidade é decisiva para o ganho no Texas Hold’em. De acordo, pois, com a definição dada no texto do Decreto Lei 3388/41, ou por qualquer outro critério no qual o nível de habilidade do jogador é decisivo para o ganho, a modalidade de Pôquer conhecida como Texas Hold’em não pode ser considerada jogo de azar.”

Dentro do Laudo que tem 26 páginas há um trecho que parece perfeito para acabar com qualquer dúvida:

“Numa partida disputada em Internet, analisada por nós, de 118 rodadas, 75 terminaram em FOLD, ou seja, em 64% das vitórias o ganhador não mostrou suas cartas! Dificilmente poderiamos classificar um jogo que permite tal desdobramento como “de azar”, visto que, na maior parte dos casos sequer se sabe se o ganhador tinha efetivamente o melhor jogo”.

Ora, de forma como redigida, a observação é um tanto confusa. Convenhamos que “exclusivamente” e “principalmente” são termos com significados bastante distintos. Só podemos entender, pois, que o “ou” usado pelo legislador é exclusivo.

Assim, bastaria que o jogo, para não ser considerado “de azar” não dependesse “principalmente” da sorte. A discussão na seção III mostra inequivocamente que o fator “habilidade” é, no mínimo, importante para o sucesso no Texas Hold’em. A quantificação precisa deste fator em comparação com o fator “sorte” seria impossível, mas para o que se precisa demonstrar aqui, não é preciso relacionar os dois fatores.

Com efeito, como demonstramos matematicamente na seção II.4, se um dos jogadores tem maior habilidade do que outro (independentemente de quanto mais habilidoso ele seja, ou qual habilidade ele tenha desenvolvido), necessariamente este jogador (o mais habilidoso), obterá mais ganhos ao fim de uma seqüência de partidas (e tanto maior será o ganho quanto maior for o número de partidas).

Considerando que o Texas Hold’em, assim como outras modalidades de Pôquer, sempre são jogados em longas séries de partidas, podemos afirmar, com segurança, que a habilidade é decisiva para definir o vencedor.

Observe-se que esta conclusão vale tanto para o Texas Hold’em “ao vivo” como para os jogos on line, visto que, basicamente, a única informação não disponível em jogos na Internet é a visual. Todas as demais, ou seja, estimativa de probabilidade, histórico de ações dos oponentes e outras, continuam disponíveis.

Assim, voltemos ao texto do Decreto Lei 3688/41. Fala-se ali de “jogo de azar” como sendo aquele em que “o ganho e a perda dependam exclusivamente ou principalmente da sorte”. Com certeza, podemos afirmar que no Texas Hold’em não se depende “exclusivamente” da sorte.

Quanto ao termo ‘principal(mente)”, a definição que mais se aplica à discussão em tela, segundo o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, é a entrada 5, ou seja, “de maior relevância, decisivo”.

A Tower Torneios, uma das empresas envolvidas com o poker live e on-line no Brasil, fez o seguinte esclarecimento acerca de tais documentos:

Esclarecimento Oficial da Tower TorneiosTendo em vista a divulgação dos Laudos acerca do TEXAS HOLDEM não poder ser tratado como JOGO DE AZAR, mas sim como um JOGO DE HABILIDADE que de fato é, a TOWER TORNEOS gostaria de esclarecer:

– O Laudo Pericial Oficial do Instituto de Criminalistica é documento público, foi feito a pedido do Delegado do 78º DP – DECAP – São Paulo, dr. Alexandre Jorge Daur Filho, assinado pelos peritos Willian do Amaral Jr. e Dra. Katia Horti Freitas. Foi solicitado pelo Delegado quando do fechamento de um Clube em São Paulo, e conforme já foi divulgado nesse tópico, o seu teor é amplamente favorável à qualificação do Texas Holdem como sendo um JOGO DE HABILIDADE.

– O Laudo do Laboratório de Pericias Prof. Dr. Ricardo Molina de Figueiredo, é de origem particular, integra um conjunto de documentos que a TOWER encaminhou às Redes de TV aberta no Brasil quando das negociações envolvendo a volta do nosso programa ao ar. Este Laudo indiscutivelmente é, até hoje, o documento mais bem elaborado tecnicamente falando acerca do tema.

FONTE: BNL – BOLETIM NACIONAL DE LOTERIAS

41 Comentários

  1. Excelente artigo,agora todos que são apaixonados pelo poker tem uma arma poderosa.Essa arma é a verdade,a justiça .Vamos incentivar o desenvolvimento do poker como esporte, o país só tem a ganhar.

  2. exelente materia…
    Eu gostaria de montar um clube de poker na minha cicade, isso é possivel?
    o que e nescessario para isso?
    vcs podem me ajudar?
    grato.

  3. […] poker é um  dos mais populares jogos de carta e na maioria das vezes existe um certo preconceito em relação se ele pode ser considerado apenas um jogo de azar ou realmente um esporte que exija […]

  4. Ótimo artigo mesmo. Agora já tenho provas pra mostrar pra minha família e pra minha namorada que a polícia federal vai entrar na minha casa pra prender todos por causa do meus dolares “ilegais”. ;^D

  5. O jogo de poker não pode e não deve ser considerado como esporte, porque ele vicia. Estou grávida de 8 meses e meu marido teve que ser internado, por causa dessa porcaria de jogo. Precisei começar a fazer terapia e, a psicóloga me disse que existem vários garotos que estão largando faculdade, se afastando dos amigos e familiares, por causa desse jogo. Fala-se em habilidade e estudo. Meu marido já leu dezenas de livros de poker, assistia toda noite o poker na calada da noite e jogava todos os dias. Pode ter certeza que as técnicas e conhecmento ele conhecia. Eu vi várias e várias vezes, ele com par de AS perder para par de 2, de 5…que trincava no river e muitas outras jogadas parecidas com essa. Pode-se dizer que ele tem muito azar então. E não venham me dizer que no final, não é necessário ter sorte. É necessário sim. Esse é o mal dessa década, que está entrando aos pouquinhos, já há mais de 03 canais que passam jogos à noite diariamente e há torneios pelo Brasil todo. Tomem muito cuidado quem está começando agora, pois é um jogo fascinante e vc tem muita sorte no início. Minha família foi arruinada por esse jogo, nossas economias foram embora, estamos super individados e minha filha pode ser que nasça sem a presença do pai. Mais uma vez CUIDADO

  6. Estimada Patrícia Naves,

    Agradeço imensamente pelo alerta! Pessoas que são compulsivas e sem controle emocional devem evitar jogar poker e procurar atendimento especializado.

    Gostaria que você (todos que estão lendo esta resposta) lessem com calma e bastante atenção.

    A questão básica não está no poker em si.

    Existem pessoas compulsivas por compras. Outras por bebidas. Outras ainda por comida. Também há pessoas compulsivas por sapatos e bolsas…

    Muitas delas arruinam suas vidas e de seus familiares.

    Mas se o problema fosse o objeto da compulsão em si, deveríamos escrever: “tome cuidado você que está começando a comprar” ou “comida vicia”…

    A questão não está no poker, mas na compulsividade da pessoa. O poker é o meio, não a causa.

    Posso usar uma bela faca para fazer um bom almoço ou para matar alguém. O problema está na faca? Evidente, minha cara Patrícia, que não.

    Seu marido pode ter lido dezenas de livro, mas não entendeu o conceito mais importante para um jogador de poker: a gestão da banca ou gestão do bankroll.

    Bankroll é o valor que você tem para jogar poker. É um dinheiro separado, não tem nada com salário e bens. Definido o bankroll, você nunca deve jogar mais que 1% do que possui lá.

    Por exemplo: se você tem um bankroll de $200, nunca jogue jogos maiores que $2… Se jogar e cair para $198, jogue jogos de no máximo $1, até voltar para os $200 e então retornar para os jogos de $2…

    Se seu marido tivesse feito isto, jamais quebraria, pois há jogos de até $0,01 (e inclusive jogos grátis, que foi como comecei).

    Sobre perder com AA X 22, ele vai perder 18% das vezes. E 18% das vezes é muito maior que 0%. Mas na maioria das vezes ele irá ganhar.

    E se fizer a correta gestão do bankroll, as eventuais perdas serão compensadas.

    Mas isto não é realmente importante. O poker é um esporte da mente com o xadrez, o gamão, o brigde e o go (entre outros, com até Olimpíadas).

    Ele serve para divertir, desenvolver a mente e unir as pessoas. Para os profissionais, é também a fonte de renda.

    Se não é isto que está acontecendo, não culpe o poker, mas a pessoa que fez uso dele.

    Desejo muita sorte em sua gravidez, que o(a) filho(a) seja uma luz para sua família e que seu marido comece a fazer a correta gestão do bankroll, além de conseguir tratar sua compulsão.

    Atenciosamente,
    Fabiano Petrillo
    Poker Dicas

    • Tenho 33 anos, disputo torneios de Texas Hold´em e sempre levo em mente o que meu pai me ensinou: pratique esportes e não o vício. Um abraço.

    • Realmente muito boa discussão – Alto nível de conhecimento e prin cipalmente respeito.
      Conheço muitas pessoas com a mesma visão ou vivência de Patricia Naves, e acredito que o comentário que sucedeu mostra bem os porquês do vício ser uma tendência da pessoa. Já ví gente estragar a família porque era viciado no clube, no tênis, no trabalho, em pornografia …

      Sim, em alguns momentos o poker requer da sorte, da mesma forma que o futebol, o tênis, o trabalho, a vida!

      A questão e que nenhum jogador de poker profissinal é profissional por sorte, mesma razão pela qual Federer e Nadal estão sempre na final de torneios de tênis, mas, se questioná-los sobre sorte lhe dirão: Sim, foi muita sorte aquela bola do matchpoint ter entrado daquela forma…

      Sim … são anos de treino para se ter sorte!

      Em nossa região estamos enfrentando problemas porque queremos realizar num clube um campeonato – Estamos sofrendo resistências de todos os lados, mas, quando realizamos um de tênis, com premiação em dinheiro, ninguém se opôs!

      Estranho não?

  7. Você me parece muito centrado e escreve muito bem. Mas vc tem que pensar que o poker está virando um vício nacional, talvez já seja mudial e que muitos adolescentes estão laragando faculdade, se isolando dos amigos e está fazendo muito mal à muitas famílias. E qualquer um pode ter acesso pela internet, comprando pelo cartão de crédito. Você não acha que isso pode ser perigoso e deve ser revisto pelas autoridades, já que não são somente pessoas centradas e com auto-controle que têm acesso à esse jogo? É um jogo fascinante e eu acredito que pode ser uma das doenças da década. Vamos esperar para ver.

    • Patrícia, fiquei muito sensibilizado com seu comentário.

      Sou médico e jogador de poker amador. Já vi casos de pessoas com problemas pessoais e profissionais relacionados a vícios. Já vi pessoas que dilapidaram seu patrimônio com apostas esportivas, com bolsa de valores, bingo e poker. Já vi gente também viciada em Internet, precisando de tratamento especilizado.

      Como o Petrillo falou, não é justo responsabilizar o poker por isso. Te aconselho a visitar nosso fórum e ver centenas de pessoas jogando e melhorando, sem significar problemas familiares.

      Dentre os melhores jogadores de poker temos advogados, médicos, engenheiros, professores, estatísticos, matemáticos, etc. Isso combina com “a doença da década”?

      Infelizmente nada do que falarmos aqui irá te sensibilizar, pois sua história familiar sempre será um peso, um fardo a carregar, o que é uma pena. Da mesma forma que vítimas de acidentes tendem a apoiar a lei seca, enquanto que outros que nunca tiveram o problema podem considerá-la abuso de poder.

      Mas como o Petrillo disse, o que sempre orientamos no site é a pessoa não largar nada de sua vida pessoal e profissional pelo poker, e a famosa “gestão de bankroll”. Nos moldes da gestão financeira dos operadores de bolsa, essa ferramente impede a pessoa de quebrar. É simplesmente impossível, uma vez que se você tem uma sequência de derrotas, deve reduzir os custos dos jogos até voltar a ganhar.

      Temos centenas de exemplos de pessoas que começaram com zero reais no poker e hoje jogam em níveis mais altos. Nunca retiraram nada do seu orçamento familiar, nem deixaram de estudar para se dedicar a este jogo.

      Termino te desejando sorte com a gravidez e com sua família. Espero que seu marido esteja sendo tratado por algum profissional de qualidade. Se ele tem problemas em se controlar financeiramente, deve ficar longe de qualquer jogo que envolva dinheiro, e não só poker.

  8. Estimados colegas,

    Fiquei realmente impressionado com o alto nivel das discussoes deste site, congratulacoes por isso, tomara que outros passem a tratar estas questoes com a mesma seriedade que voces o fazem…

    Escrevo-lhes pois gostaria de saber como andam as tratativas no intuito de regulamentar o Poker em nosso pais, mais especificamente o poker online, existe alguma novidade ?

    Asssim como foi dito antes existem jogadores, prefiro usar a palavra aficcionados, por este ESPORTE das mais diferentes classes sociais e niveis intelectuais, e portanto devo concluir que devam existir advogados, juizes, promotores e politicos tambem… existe algo tramitando em termos legais ?

    Mais uma vez felicito-lhes pelo alto nivel de suas discussoes,

    Um forte abraco a todos,

    Luis.

  9. Eu gostaria de saber se alguém tem conhecimento de onde eu poderia conseguir uma via deste laudo? Ou pelo menos uma digitalização?

  10. Alguém sabe onde conseguir O Laudo Pericial Oficial do Instituto de Criminalistica, onde fundamenta que o poker é um jogo de habilidade?

  11. Pessoal,

    entendo que a posição de vocês seja a de defender o jogo, visto que, são adeptos do mesmo.

    Todos me parecem inteligentes e com alguma formação acadêmica. logo,

    tenho certeza que tem a noção de que todo jogo agradável prococa prazer e se torna VICIANTE.

    A nossa mídia tem nos bombardeado com poker, tratando o mesmo como

    “esporte olímpico” (discordo totalmente !!!!)

    Em pouco tempo teremos uma massa de jogadores deste “nobre esporte olímpico”

    em dificuldades financeiras, famílias destruídas, bons profissionais prejudicados pelo jogo.

    PROIBIÇÃO TOTAL, AINDA QUE SOB O “PRETEXTO DE CAMPEONATO” JÁ ! !

    Espero que meus futuros netos possam ter uma visão mais promissora

    da época que viverão em comparação á época em que vivo.

    Basta de jogo, de violência, de drogas (legais e ilegais), de impunidade e corrupção.

    Nosso gentil escritor nos presenteou com um agradável texto hermenêutico,

    interpretando nosso ordenamento jurídico, de forma clara, com o fim de defender o jogo.

    Devemos tomar cuidado, não é a única versão dos fatos, da realidade, da verdade e da vida.

    O que disseminamos agora irá trazer muitas lágrimas a diversas famílias,

    muitas mães, esposas, maridos, filhas e filhos sentirão o enorme peso da mão do jogo,

    talvez a família de alguns de vocês sintam o peso dela, talvez não.

    Muitas famílias sentirão, com certeza !

    Defendamos o que acreditamos com responsabilidade.

    Agradeço por permitirem gentilmente utilizar o vosso espaço.

    Se desejarem contato: [email protected]
    Wagner

    • Estimado Wagner,

      Independente de qual seja sua opinião, aqui ela será respeitada.

      Acredito que você faz algumas comparações um pouco fortes ao dizer “Basta de jogo, de violência, de drogas (legais e ilegais), de impunidade e corrupção”.

      Eu já afirmo: “Viva os jogos!”

      Para teres uma ideia da importância dos jogos nas sociedades de alto nível, o filósofo Johan Huizinga no livro Homos Ludens (Editora PERSPECTIVA, 2008) afirma:

      “O jogo é fato mais antigo que a cultura, pois esta, mesmo em suas definições menos rigorosas, pressupõe sempre a sociedade humana; mas, os animais não esperaram que os homens os iniciassem na atividade lúdica. É-nos possível afirmar com segurança que a civilização humana não acrescentou característica essencial alguma à ideia geral de jogo. Os animais brincam (jogam) tal como os homens. Bastará que observemos os cachorrinhos para constatar que, em suas alegres evoluções, encontram-se presentes todos os elementos essenciais do jogo humano. Convidam-se uns aos outros para brincar mediante um certo ritual de atitudes e gestos. Respeitam a regra que os proíbe morderem, ou pelo menos com violência, a orelha do próximo. Fingem ficar zangados e, o que é mais importante, eles, em tudo isto, experimentam evidentemente imenso prazer e divertimento.” (Natureza e Significado do Jogo como Fenômeno Cultural, pág. 03)

      Os jogos são expressões primeiras de nossa natureza. Proibi-los seria um ato de grande violência contra nossa própria essência.

      O que deve ser controlado não é a prática em si, mas a forma compulsiva de lidar com os jogos. E como já falei acima, a compulsividade está na pessoa e não é “gerada” pelos jogos. Pelo fato de alguns terem uma conduta desvirtuada, todos devem pagar?

      Sou apreciador de bons vinhos e cervejas. Tenho curso de degustação de vinhos e gosto de ir em cervejarias especiais. Bebo no máximo meia garrafa de vinho ou no máximo 600 ml de cerveja (isto quando não estou jogando, pq neste caso eu nunca bebo). O fato de haver centenas de milhões de alcóolatras torna correto me proibir de degustar estas saudáveis bebidas como a cerveja e o vinho? Evidentemente que não, seria um grande erro e uma violência descabida.

      Da mesma forma, se há milhares de jogadores compulsivos, isto torna correto proibir jogos como o xadrez, o poker e o go (todos esportes da mente reconhecidos pela International Mind Sports Association (ver detalhes em Poker incluído como Esporte da Mente pela IMSA)? Evidentemente que não.

      Os jogos devem ser incentivados ao invés de proibidos. Sendo praticado com equilíbrio e responsabilidade, os jogos em geral e o poker em especial, são atividades sadias e ajudam as pessoas em vários aspectos da vida.

      Por isto afirmo Wagner: “Viva o poker!”

      Ajude a divulgar esta ideia: poker é um esporte da mente sadio e divertido! Sua proibição seria um ato de violência e sua prática deve ser incentivada e regulamentada.

      Um grande abraço!

      • TAMBÉM CONCORDO COM VC AMIgo
        Porém o difícil é a maioria das pessoas pensar como agente e logo muitos entrariam na desgraça financeira se fosse liberado.
        TAMBÉM SOU CONTRA A LIBERAR QUALQUER JOGO COMO ESPORTE.
        Pois Jogo muito pouco, me controlo muito, mas vejo que o jogo escraviza e nos deixa muito preso. IMAGINA O TEMPO QUE GASTAMOS COM O JOGO SE AGENTE APROVEITASSE COM UM TRABALHO DIGNO PARA NOSSO SUCESSO. Ao contrário de qualquer jogo, que tem muita chance de levar qualquer um ao fracasso.

  12. Olá caríssimos, muito interessante o debate e notei a preocupação da Patrícia que, até certo ponto procede.

    Contudo, o Fabiano, Marcelo e demais companheiros deram uma resposta bastante interessante aos comentários da Patrícia.

    O vício está aí e não é de hoje, infelizmente, existe ainda aquela velha idéia sobre o poker, de pessoas perdendo, casa, dinheiro, família, fazendas ….

    Hoje o poker toma nova dimensão, e como disse muito bem o Fabiano, o poker não é a causa, pode ser talvez um dos meios, que os compulsivos usam. Porém, não se pode culpar a faca, acho que isso é unânime.

    Os adolescentes estão viciados em coistas piores como por exemplo o Nargile, sexo na internet e não vejo proibições para esse hábito que se tornou entre eles.

    Eu sou professor coordenador de curso e coordenador de pós-graduação, com esp. Mest e doutorando em Educação, e digo a você que embasado em diversas teorias entre elas de Piaget, o jogo faz parte do desenvolvimento da psique humano. Ganhar ou perder nada mais é que uma das formas para o aprendizado.

    Claro que há o desequilíbrio da psique humana, para esses realmente é necessário o afastamento da prática desse esporte, bem como o acompanhamento de um psicólogo e em determinados casos até do psiquiatra. Pois pode se manifestar a compulsividade desde as apostas, até mesmo, no excesso de comida, excesso de internet, excesso de compras ….

    O Poker é como o xadrez, que envolve muito estudo para dominar a modalidade, os mais preparados terão muito mais vantagens do que o menos preparado. E isso foi uma discussão que ocorreu em minha família, em que um engenheiro dizia que era só sorte e que eu não poderia estar dizendo aquilo aos filhos deles.

    Com isso fui obrigado a dizer sobre os passos necessários para se tornar um jogador vencedor, pois eles jogavam e continuariam jogando, quer o pai quisesse, quer não.

    Hoje não é questão de ser contra ou a favor do poker, e colocar o filho numa redoma de vidro, deve-se ensinar os prós e contras de se jogar, mas ter honestidade e conhecimento em falar sobre o lado negativo, pois o discurso de jogo de azar, já está mais que comprovado que não é. Ou passar em vestibular de medicina é sorte? Creio que não os mais preparados terão maior Êxito.

    Eu sou um exemplo, pois costumo jogar torneios que de longe, é onde encontramos a maior variância possível, e que é necessário dominar muito bem as ferramentas (estratégias) para conseguir ir longe. E não é a toa que venho tendo ótimos resultados, após 3 anos de estudos, discussões, jogos, os resultados começaram a aparecer, e nesse ano, bati um field de mais de 2800 jogadores, ficando com a quarta posição.

    Mas para chegar até onde cheguei (que ainda não é nada), foram necessa’rios mais de 3 anos de dedicação ao estudo, não da regra, mas sim do meta game (psicologia do jogo, estratégia, ferramentas utilizáveis, tipos de jogadores, perfil da mesa ….etc. …)

    Saliento que é importante a preocupação dos pais no monitoramento ao comportamento do filho, mas tão importante quanto isso é ter em mente que não estamos protegendo nossos filhos do mundo quando fazemos isso, estamos apenas deixando-os mais vulneráveis.

    O diálogo (verdadeiro e com conhecimento) é o melhor caminho… Minha filha irá aprender comigo esse esporte da mente, e não com os amigos da faculdade.

  13. Assim como o a maioria das vertentes capitalistas, o poker é uma ferramenta de fluxo de dinheiro dos que possuem menos poder (poder aqui traduzido na forma de habilidade) para os que tem mais poder.

    Sim, é triste, mas a verdade é essa. Apenas uma pequena ‘elite’ com habilidade suficiente tem o poder para lucrar com o poker em detrimento monetário de terceiros menos habilidosos.

    Todos têm a opção de jogar ou não. O que gera o ‘vício’ é a sensação de a qualquer momento recuperar o que perdeu em um ciclo vicioso que nos lembra a época de martigales na bolsa.

    Enquanto a mentalidade das pessoas continuar capitalista, o poker continuará, e a maioria das pessoas continuará a perder dinheiro para uma minoria seleta de iluminados. Vai da índole das pessoas decidir o quanto quer perder, no momento do depósito.

    Do mesmo modo, um corredor de kart investe dinheiro no seu hobby, compra ou aluga o bólido, compra combustivel, aluga a pista, compra equipamentos de proteção, etc. Ele investe esse dinheiro pensando que um dia vai ser um campeão de formula um e lucrar milhões? Não. Ele investe porque gosta da corrida, de superar seus limites, da competição e do clima de amizade que existe entre os corredores. Apenas uma pequena elite muito habilidosa consegue ganhar dinheiro como corredores profissionais ou amadores.

    Essa é a mentalidade que deveria existir. A ciência que o gasto no poker é recompensado como recreação e divertimento e não que ele terá um retorno fácil ao seu investimento. A sensação de dinheiro fácil sempre corrompeu o ser humano. Ganhar dinheiro no poker não é facil, é penoso e exaustivo. A unica forma de ganhar um grande montante rapidamente seria depender da sorte, e jogar fora da gestão de banca.

    A premissa número um de um bom jogador, como o Petrlilo preconizou é a gestão de banca. E é aí que chegamos a este interessante paradoxo. Um jogador que quebra, não é um bom jogador. Pois se ele está jogando com todo seu dinheiro, obviamente não sabe ou não domina, repito, a premissa número um de um bom jogador de poker. Está dependendo apenas da sorte.

    Ouso dizer que, mesmo para alguem com ínfima habilidade é IMPOSSIVEL quebrar usando apropriada gestão de banca. Em outras palavras, com gestão de banca adequada, elimina-se o fator ‘sorte’.

    O que estamos discutindo aqui portanto não é se o poker é um jogo de habilidade ou não. Não estamos discutindo se o poker é esporte ou é olimpico ou é legal ou ilegal. A verdadeira discussão aqui deveria ser:
    uma pessoa que jogar fora de sua gestão de banca é responsável pelos próprios atos? Se uma pessoa joga fora de uma gestão adequada é justo o poker, e as milhares de pessoas que lucram e vivem disso, direta e indiretamente, que devem sofrer com isso? Por causa de casos pontuais de pessoas que jogam fora da gestão de banca e portanto incorretamente, é válido destruir a família de outras pessoas que jogam o poker usando a gestão adequada e correta? Lembrando novamente que existem milhares de pessoas que vivem disso alimentam suas famílias com o dinheiro do poker.

    Patrícia, desculpe minha sinceridade. É correto destruir famílias cujos jogadores jogam corretamente por causa de um jogador que não jogou corretamente? No seu caso, infelizmente arcaram com os erros do seu marido. Caso o poker fosse proibido por conta desse tipo de caso, a senhora já imaginou quantas outras pessoas que estudam o jogo, desenvolvem suas habilidades e estudam décadas a fio, também seriam destruidas por causa do seu marido?

    É injusto que uma familia pague pelos erros de um jogador ruim, mas muito mais injusto é que outras pessoas que joguem bem, paguem o preço de quem jogou de forma errada.

  14. Amigos, como de costume, nossos espaços continuam bem democráticos e respeitosos às opiniões contrárias. Como vocês, me sensibilizo muito com o caso apresentado por essa jovem simpática, a Sra. Patrícia, mas como o colega Petrillo já bem colocou, e não me parecem ter opiniões assim tão diferentes, somente a qualificação por Entidades Certificadoras é que pode possibilitar a manutenção da ordem social.

    Podemos todos andar armados? Claro que não! Somente os policiais ou afins, que para tanto são qualificados pelas devidas Entidades. Podemos todos abusar de investimentos de risco no mercado de derivativos das nossas bolsas de valores? Já pudemos, tanto quanto jogar à dinheiro e andar armados em qualquer lugar, mas a nossa sociedade vem moldando-se ao perfil medio do nosso cidadão, e criando Entidades Certificadoras, como a CVM.

    O Ministério da Educação e Cultura “certifica” (ou deveria certificar), os nossos estabelecimentos de ensino, embora a criação das Universidades Livres (absurdo!), não esteja sendo combatido pela nossa sociedade!

    Não podemos, como já dito acima, defender as massas a ponto de prejudicar os mais privilegiados. Devemos sim, criar Entidades Certificadoras para tudo aquilo que não puder ser exercido pelas massas com certa responsabilidade.

    Excelente discussão essa, amigos, até porque vivemos o momento da “forma”, em total detrimento do “conteúdo”. Estamos atribuindo liberdades aos nossos jovens, como se liberdade pudesse ser um atributo exclusivo, não dependente da responsabilidade!

    Continuemos, pois, com o exercício das idéias, das boas opiniões. Somente assim o intelecto humano estabelecerá uma nova ordem social.

    Abraços e parabenizações pelas excelentes exposições.

  15. Queria Patricia,

    Seu marido aruinou a vida? Interessante…se ele era o “viciado” da historia como é que a distinta senhora sabe que par de ás é uma bela mão? Ou você chutou? Ah obviamente você via seu marido jogar então e aprendeu todos os macetes e tudo mais?

    Fake discarado e imundo: argumentos que apelam para o emocional e não para o racional; nitido conhecimento do assunto; raciocinio não retilineo, mostrando que inventou algo e depois foi arrumando a história; etc.

    Se eu estiver errado manda um e-mail pra globo, record, principalmente a record e fala sobre seu caso. Eles adoram botar a culpa no dinheiro e no capeta e iriam adorar sua história, se ela for verdade né?

  16. Boa tarde. Estou aprendendo a jogar poker on line e pretendo jogar ao vivo tb. Ainda não li nenhum livro mas to aprendendo. E uma coisa está clara: não é jogo de azar. Se vicia? Bom pessoal tem gente viciada em muita coisa, tem gente viciada em trabalho, pornografia, futebol… Não é o poker que vicia, mas a pessoa que sofre dessas compulsões. Sou investidor e vivo o dia dia dos negócios em bolsa de valores e recomendo: se você tem algum tipo de compulsão fique longe dos negócios pois isso pode lhe arruinar. Da mesma forma o poker, se vc é compulsivo não jogue. Um bom jogador sabe dar FOLD. Abraço.

  17. A pergunta que ninguem se faz???
    Em quais areas de recreatividade ou habitos o governo deve interferir?
    Esta pergunta é relativa as areas de recreatividade em que o ser humano dentro de sua cultura pode ou nao pode fazer.
    A pergunta tambem se refere a outras areas onde o ser humano quer se aventurar?

    Se alguem conseguir responder esta pergunta. Vale lembrar que o direito a cultura seja ela qual for, esta dentro dos direitos humanos. Quer dizer que mesmo se eu nao gostar que em tribos indiginas, a criança deve passar por um ritual de iniciação como o das formigas Tocandira na Amazonia. Nao cabe a mim que nao vivo esta cultura ou a qualquer governo na Terra de proibir esta pratica.

    Vejamos o caso da lei seca no EAU, mesmo se tratando de um assunto onde envolve mesmo um vicio o do alcool, eles perceberam que ao proibilo ficava impossivel de controlar o mercano negro, traficantes de bebida da epoca fizeram fortunas por esta proibiçao, o interesse do povo pelo alcool aumentou e foi as alturas, uma vez que beber um drink naquela epoca, era até mais facil pela propria proibição, os fatores que levaram a isso foi que: Sendo proibido se criava uma super propaganda sobre o produto, afinal é psicologia contraria e nao funciona, outro é que como o governo se colocou do lado oposto ele saiu da jogada, deixando para os traficantes de bebidas o ganho total sobre o mercado. A lei seca é um exemplo afinal o governo percebeu que nao deveria proibir e sim conscientizar o povo, taxar com altos impostos os produtores de bebida e a venda tambem.

    O governo percebeu tambem que ao legalizar o alcool nao quer dizer que ele aprova o seu uso, mas que ficaria mais facil de controlar este produto. O fim da lei seca todos sabem que deu fim a grande mafia da epoca que tirava seu maior lucro com o alcool.

    Muitos podem perguntar, mas o que isso tem a ver com o Poker Texas Hold em?
    Bem tem a ver com a primeira pergunta: Em quais areas de recreatividade ou habitos o governo deve interferir?
    Se tratando do ser humano: Devemos lembrar que os habitos de um nao sao os mesmo de outros, que a cultura de uns nao é a mesma de outros, que alguns gostam de atividades diferentes de recreativadae nao quer dizer que todos devem fazer o mesmo. Ou seja aqui entra mesmo a questao da LIBERDADE DO SER HUMANO.
    Entao como poderiam estar a proibição do Poker? Bem isso pode ser encarado da seguinte forma. Nao esqueçamos que o governo retem o MONOPOLIO do jogo. Nao esqueçam a tal da LOTERIA que em muitos paises inclusive no Brasil já foi visto Fraudes. Então sera que nao seria uma forma de controlar o Monopolio ja existente.
    Independente disso: Onde esta a Liberdade de recreatividade e habitos do ser humano hoje em dia, nao esquecendo que recreatividade e habitos é o principio da cultura de um povo.
    Se ao inves de querer proibir ou condenar o Poker eles deveriam criar mecanismos de controle e conscientização, formas de taxar com impostos estes clubes e donos de site, criar uma campanha onde no final de cada propaganda de Poker ter um aviso de alerta sobre o habito de jogar.
    O tempo em que orgaos do governo perdem tentando controlar a cultura de um individuo é um tempo precioso onde poderia estar desmascarando fraudes muito maiores como a de banqueiros, contrabando, pirataria, corrupção de seus lideres, trabalho infantil, madeireiras sem fiscalização, trafico de pessoas e animais e muitos outros problemas bem maiores do que este. Me parece que se eles estiverem fazendo algo inutil estao passando a imagem que realmente estao fazendo algo.

  18. ALGUEM ME AJUDE!!!
    EXITE ALGUMA REGRA DE DESEMPATE PARA TODOS OS SITES DE POKER?
    TENHO MUITA DUVIDA POIS EXITEM PARTIDAS QUE PENSO QUE VOU EMPATAR E PERDO OU GANHO ATÉ,
    (NÃO SOU INICIANTE MAS TENHO ESSA DUVIDA )
    obs: Só jogo no tower torneos e ja cheguei a ficar em 2º lugar em um torneio de 3000 pessoas free.

  19. Amigos, sou Advogado e jogador de Poker amador. Na minha cidade temos um campeonato que acontece todas as segundas, assim, todas as Segundas, digo “Todas” estou lá, jogando das 19h30min às 00h00mim. Sou um viciado? acredito seriamente que não, pois nao deixaria de comprar o leite do meu filho para jogar. Neste campeonato jogam engenheiros, politicos, empresários entre outros pessoas que utilizam o Poker como fonte de entretenimento, sociabilidade, fraternidade. A idéia é fazer do Poker algo que possamos emanar paz, alegria e diversão. Não é o fato de proibi-lo que as pessoas deixará de se viciar, as pessoas que sao viciadas em apostar, apostam até em jogo de palito, sinuca, par ou impar, fazem bolao em jogos de futebol! Fato é que existe o livre arbitrio, somos livres, cada um faz o que quiser. O cigarro é legalizado, é nocivo ao ser humano, sabemos que fumar habitualmente é pedir um câncer, no entato, é um dos produtos que mais gera Receita para o poder público, vende horrores. Escrevo isso, com o intuito de esclarecer que nao é a proibicao ou a liberacao do jogo de Poker que educará as pessoas, é o velho ditado, “cada um é cada um”. Deve-se fazer um paralelo para regulamentar este jogo, depois disso, cada um deve fazer o que acha melhor pra vc. Alguns são adeptos a uniao homoafetiva, outros nao. O Papa é contra a Camisinha. Para os Orientais vivemos na terra da perdição. Pra nós, os Orientais são loucos, pois comem gafanhotos entre outras fontes de proteinas um tanto quanto asqueirosas.rs… mais isso é o legal da vida, a diversidade do Mundo. Não é o Fato de regularizar o Poker que todos vão sair jogando, apostando toda a sua economia. Devemos pensar num todo, ou seja, se existe pessoas que querem jogar, pq não deixar!? pq não regulamentar?! Viva o Poker, Viva todas as outras formas de fraternidade, seja a dança, o teatro, entre outras. Sempre respeitando o próximo. O que não pode acontecer é ficarmos inerte, com a cabeça vazia, pois mente vazia é oficina do Diabo.

    Parabéns pelo site e por instigar este brilhante debate!

  20. PARABENS A TODOS,ISSO É DEMOCRACIA ONDE TODOS EXPRESSAM SUAS OPINIÕES,E O MAIS
    IMPORTANTE,SÃO RESPEITADAS E TODAS TEM UM FUNDO DE VERDADE,GOSTO DE POKER,JOGO
    TORNEIOS FREEROLLS,MAS O PERIGOSO É QUANDO ENTRA DINHEIRO NO NEGÓCIO
    UM ABRAÇO

  21. É isso ae, ta na hora de nossas autoridades darem um pouco mais de credibilidade ao Poker. A sociedade necessita quebrar muitos paradigmas, entre eles a noção errada sobre o poker. Muito bacana o artigo, nota 10

  22. Respeito a opnião de cada pessoa, mas a maioria das pessoas tem um visão totalmente antiquada,na verdade nem se quer tem uma visão.crescendo ouvindo coisas pra criança dormir !…
    De fato se voce começa a tirar as coisas de casas, amigo sai fora que tu ja ta abalado emocionalmente….dinheiro do poker é do poker e nada mais que isso…..Para aquelas pessoas que não sabem lidar com tais situações e não requer nenhum conhecimento ou experiencia na area não façam.
    Poker é disciplina e auto-controle, poker é respeito mais do que tudo !!!..Poker também é paixão e diversão !…e é ate religião !..pq não ?!…Poker é filosofia.
    REgards

  23. Saudações,

    Preciso parabenizar este espaço, estou impressionado com o alto nível do debate, e com o respeito praticado. Não se vê mais isso no mundo desvirtuado da internet. Continuem assim, e disseminem essa prática, as relações sociais se tornarão cada dia melhores.

  24. Caros colegas amantes e “odiantes” do Poker.

    Li todas as discussões e realmente me encaixei na realidade de vários comentários aqui relacionados, porém, o maior problema envolvido aqui não se trata do POKER propriamente dito, e sim do DINHEIRO que está relacionado e ligado ao mesmo.

    O problema mais explícito mencionado acima foi da amiga “Patrícia” que passou bons bocados com seu marido. Entendo o sofrimento, mas, o que foi frisado em relação ao BANKROLL é de suma importância.

    Chamaremos o BANKROLL de patrimônio e o poker de VIDA.

    Não adianta ter uma vida boa e um patrimônio quebrado e vice – versa, antes de falarmos do POKER falaremos que estrutura psicológica, emocional e gestão financeira.

    Não estaríamos discutindo aqui se o dinheiro não fosse envolvido. Para exemplificar meu pai nunca gostou de jogos de espécie alguma, mas faliu com um negócio que ele acreditava que daria certo. Era viciado em gerir restaurantes e quebrou 02.

    O problema do marido da Patricia é a dependência ao DINHEIRO não ao poker! Eu jogo por diversão e o dinheiro é a consequência de muito estudo e dedicação a que aplico a este conceito.

    O poker não bate a porta de ninguém oferecendo “E aí vamos jogar?”, o jogador sim bate a porta do
    poker.

    Parabenizo o site e a discussão sadia.

    Viva o Poker!

  25. Oi … o problema não é só do poker … é de todos os jogos que envolvam dinheiro. Mas tal não justifica que se acabe com eles … os casinos continuam a funcionar !

DEIXE UMA RESPOSTA