O que é bad beat?

11

Um adversário acerta sua carta no river e publicamos no fórum: “que droga, levei mais um bad beat!” Será mesmo que foi um bad beat? Para responder esta pergunta, temos que saber o que é bad beat. Pesquisando na literatura especializada, encontramos genericamente alguns conceitos:

Ter uma mão que é a grande favorita, que é derrotada como o resultado de um golpe de sorte, especialmente quando o pessoa que acertou a carta estava jogando incorretamente por entrar no pote em primeiro. (Sklansky, David. Teory of Poker, pg. 277)

Uma mão que perde para um oponente quando este acerta uma carta vencedora com muita sorte, especialmente quando o oponente não deveria ter jogado esta mão. (Hilger, Mattew. Internet Texas Hold’em – Winning Strategies from an Internet Pro, pg. 230)

Uma natural definição de bad beat signifca que um jogador não deveria estar jogando nessa mão, e ainda acerta um carta que bate o jogador que provavelmente venceria. (Jones, Lee. Winning Low Limit Hold’em, pg. 166)

Como é comum, não há uma definição formal para bad beat. Todos os autores falam em “mão favorita”, mas não é suficiente para uma definição.

Neste sentido, vamos propor neste artigo, baseado em estudos matemáticos e na experiência, uma definição formal para bad beats:

Caracterização formal de Bad Beat

Por definição bad beat ocorre quando o vencedor tinha as seguintes chances de vencer após todos os jogadores irem em all in:

  • Pré-flop: menos de 30% de chance de vencer;
  • Flop: 5 outs ou menos;
  • Turn: 7 outs ou menos.

Nota: mesmo sendo relevante, esta definição não leva em conta se o jogador que deu o bad beat deveria estar na mão ou não (como os autores falam), visto que é algo de avaliação subjetiva. A definição se limita aos aspectos probabilísticos, de forma que um jogador pode jogar de forma perfeita e mesmo assim dar um bad beat (por pot odds, por exemplo).

Explicando um pouco melhor a definição. O bad beat se configura quando um jogador que está perdendo (underdog), vai all in e é pago ou paga um all in, e mesmo o(s) adversário(s) sendo grande(s) favorito(s), o underdog acerta a(s) carta(s) que o salva(m) e ele vence a mão.

Seguindo esta definição temos clássicos bad beat:

  • Pré-flop: AA X KK; AK X AQ; AA X A9; 22 X 22 e um jogador faz flush (este é o pior bad beat pf possível!)
  • Flop: AA X KQ num flop K23, all in e turn ou river K ou Q
  • Turn: AA X KQ num turn K237, all in e river r K ou Q

As combinações possíveis são muito grandes e poderíamos enumerar um enorme número de bad beats. Mas é mais ilustrativo mostrar o que não é bad beat.

  • PF: AKs X 72o (72o tem 30,9%), não é bad beat
  • Flop: quando o jogador que está atrás tem duas overcards. Ex.: JJ X AK, flop 459, all in no flop (AK tem 6 outs), não é bad beat
  • Flop ou turn: quando o jogador que está atrás tem flush draw, open-end straight draw (duas pontas) ou duplo insight straight draw (duas brocas), não é bad beat
  • Flop ou Turn: quanto tenho uma over card e broca. Ex.: AA X KQ num flop KT9 (9 outs), não é bad beat

Então, quando ficar na dúvida se foi bad beat ou não, siga a definição matemática colocada aqui que não tem erro! É o fim da polêmica sobre bad beats!

Por fim, um depoimento de um dos maiores jogadores de todos os tempos sobre bad beats!

11 Comentários

  1. Excelente Petrillo.

    Eu percebo muitas vezes alguns jogadores denominarem bead beats, para explicarem seus feitos.

    Eu acho que uma das bad beats mais chata seria essa aqui:

    Equidade no pré flop 86% x 14%.

    AcAd x Qc9h Pré Flop.

    7h5hAs Flop / 4h / Th

    Isso me deixa a loucura!

    Depois do Flop 95% x 5% / Turn 81% x 19%. Acho que aqui o jogador que está no flush draw abre um sorriso e o nosso amigo do AAAT7 deve está nas alturas. Rapaz dependendo do evento quando me acontece isso, sinceramente aí que vontade de quebar o meu lcd KKK. Mas eu penso, já perdi uns $$$ aqui e ainda prejuízo aff. ~

    Pra ter ideia não foi uma bad beat, seria se eu acerto o K. Eu jogando um satellite no RiverPoker valendo uma vaga para um Main Event de BI 88euros. Só restando 3 jogadores eu com 5,3k contra jogador A 4,2k
    e outro correndo por fora com 1,2k. Me vem uma Hand KK, o jogador A me dá raise 1,2k, pensei agora é minha hora, se eu derrubar esse cara fico bem deep e vou para o MAIN EVENT, eu saberia que a maior chance era peder para AA, dou SHOVE. Eu pensei N mãos para o cara AJ/AQ/AT/AK e por útlimo um AA.

    Pois bem quando ele mostra AA, poxa foi duro ver aquilo, só me restava agora as duas KK e fazer str que milagre.

    Valeu Petrillo. Como sempre Arrebentado e vamos encaras as bead beats, tomara que mais para o vilão!

    • Obrigado pelos elogios Alex!

      Bad beats fazem parte do poker. Agora tem uns que são complicados. Sabe qual o maior bad beat pf que existe?

      É quando temos 22, damos all in pf e um vilão paga com 22. E qualquer um dos dois ganha a mão com um flush!! A probabilidade disto acontecer é de 2,08%!

      Obs: não sabe com calcular isto e outras coisas do poker? Visite http://poker.pro.br/pokerstove-guia-pratico/

  2. Parabéns pelo artigo, só acho aí duas coisa erradas:

    1ª Dizer que “AKs X 72o” porque têm 0,5% a mais do que devia para ser bad beat é muito rígido para o que se pretende com o póquer.

    2ª Não percebo porque a bad beat no turn e flop necessitam de ter % menor que pre-flop (ex: 8 outs para o river é no máximo 20%). No fundo, porque uma probabilidade de 25% há-de ser bad beat pre-flop e, no turn, já não é bad beat.

    A bad beat faz parte do póquer, o importante é se o jogador joga bem ou mal a jogada… subjectivo sei, mas é o que a longo prazo vai comprovar se é ou não bom jogador.

    • João, o que defendo no artigo é uma definição formal para bad beat. E como definição, os dois pontos que falaste não estão propriamente errados.

      Eu defini que sempre que temos live cards pf e ganhamos, independente da configuração, não é bad beat. A pior situação de live cards pf é AKs x 72o. Então este é o ponto de corte. O que tiver probabilidade pior é bad beat. O que tiver probabilidade melhor, não é.

      No caso do turn, o ponto de corte é ter pelo menos 8 outs que equivalem a um OESD. Defendo que se o cara tem pelo menos um OESD (ou equivalente) e ganhar, não é um bad beat, visto que tinha um draw forte. Mas isto também é o ponto de corte, determinado por definição.

      Podemos discutir se o ideal é são 10 outs ou 5 outs. O que defini são 8 outs, pelo fato de um OESD ser um draw forte.

      O ponto principal é que devemos definir os pontos de corte, ou seja, não é bad beat mas é quase:

      * pf: AKs X 72o

      * flop: 6 outs (duas overcards como KQ x 99 num flop 374)

      * turn: 8 outs (ter um OESD ou equivalente)

      Se você tiver uma definição melhor do que a que propus, por valor, me escreva (fabiano arroba petrillo.com), que mudarei na mesma hora minha posição.

      Por enquanto, acredito que a definição é muito adequada e coerente. E como é uma definição fundamentada, ela não tem como estar “errada”.

      Valeu pelo comentário!

  3. Sim, correcto… a questão é que 8 outs no turn só vale a pena com uma aposta baixa:

    Estão 1000 no pote, o vilão vai all-in 900 (pote 1900)… não vale a pena ir só com um OESD (depende de outras questões, mas pensando em cash).

    Mesmo excluindo a situação de jogo, no meu ver, não faz sentido ter % diferentes para definir bad beats nas várias streets. Como disse ter 20% e bater no river é tanta sorte como ter 20% no pre-flop e bater. Porque há-de um ser bad beat e outro não?

    Só isso… ;)

    Mas o importante acho que é mais explicar o que vale realmente uma bad beat e aprender a lidar com elas. ;)

  4. foda acabei de tomar uma eu AQ VILÃO AJ ( os dois sem nipes) flop 7,4,10 ele aposta eu all in turn J river 2 ta doendo até agoea perdi $10 no cash da fullriged

  5. Eu caí fora num torneio aki na minha cidade:
    Eu era big blind e tinha KK na mão, mas não podia aumentar ainda, em seguida todos foldaram, foi então q o dealer deu all in, o small blind deu fold e eu dei call. No showdown eu abro K K e ele 4 5 off. O flop traz 6 J 8, turn 2 e river 7. Se eu não tiver errado, no all in pré flop era 83% pra mim contra 17% pra ele. Mas infelizmente, o inacreditável aconteceu!

    • Cássio, foi um bad beat, mas não tem nada de inacreditável.

      Sempre conte a probabilidade no momento da decisão do all in, que foi pf. E no caso as chances eram:

      Text results appended to pokerstove.txt

      16,654,239 games 35.734 secs 466,061 games/sec

      Board:
      Dead:

      equity win tie pots won pots tied
      Hand 0: 81.280% 81.07% 00.22% 13501382 37207.50 { KK }
      Hand 1: 18.720% 18.50% 00.22% 3080992 37207.50 { 54o }

      Ou seja, sua mão está muito longe de ser invencível… e portanto não há nada de inacreditável em sua derrota.

      Com o tempo verás que coisas bem mais improváveis acontecendo, pode acreditar! :)

  6. Hoje levei dois Bad Beats fodasticos que me limparam, perdi tudo que tinha ganho na noite e o que tinha recuperado com muito suor apos o primeiro bad beat… Pensei até que o PokerStar estava testando minha paciencia srsrsrsrs, pq foi tudo muito rapido.

    primeiro sai como uma mão monstro AA e fui logo agrecivo, fiz uma trinca no flop e o vilão fez uma trinca de 4 no turn e uma quadra no river perdi tudo!!!!!!!!!!

    na segunda eu sai com KK , fui muito agrecivo, o vilão pagou e fiz um fullen K e 2 no flop . Ai apostei tudo!!!!! O vilão tinha 88 fez uma trica no tur e uma quadra no river. kkkkkkkkkkk depois dessa respirei fundo e fui dormir , mas ainda não vou trocar o poker por xadrez.

    O pior que sempre sou conservador e os dois perdi pra novatos na mesas que ainda não conheceiam meu estilo. Os outros que tava limpando nunca pagariam num blef meu!!!!!!

DEIXE UMA RESPOSTA